Um tempo…Um tempo…

(Texto e locução por Emerson Goveia)

Irmãos,
Desde o início, a realidade da pandemia já nos convida nas entrelinhas a adentrar no mistério da conversão. E chegado o tempo da quaresma percebo ainda mais como propício mesclarmos essas duas realidades na vivência desse convite.
Penso que o nosso coração deve se dilatar não somente na questão estatística da pandemia, mas também e a partir disso, numa vivência profunda daquilo que o Senhor nos chama: a santidade!
É preciso viver o tempo de chorar, mas também o tempo de viver.
O Papa Francisco nos convida nesse tempo a percebermos o impacto de nossas pequenas atitudes de caridade que vão muito além de simples gestos materiais, mas de gestos autênticos que aumentam a nossa esperança e fortalecem a nossa fé.
Quantos de nós, depois de meses em isolamento dentro de casa, não voltou a se alegrar por ver o nascer do sol ou o desabrochar de uma rosa de seu jardim? Os pequenos grandes gestos de Deus repetidos diariamente para nós e que não mais enxergávamos por estar mergulhados em nós mesmos, nos nossos trabalhos e estudos?
E por que perder de novo essas pequenas grandes alegrias?
Parece que o tempo vai passando e mais uma vez vamos nos perdendo no desejo de voltar a uma vida antiga, deixando reviver o homem velho…
O tempo da quaresma chega mais uma vez para nos renovar!
Como é belo tudo isso!
O Papa nos relembra ainda em uma de suas recentes catequeses sobre a pandemia, que esse tempo é um novo encontro com o Evangelho e que nos impulsiona a assumir as vestes novas de um Espírito criativo e renovado.
Por tanto, seja criativo! Deixe o Espirito Santo conduzir a sua situação atual e fazer de você um instrumento do “novo” no meio de nós.
Seja caridoso! Vá ao encontro!
Não permita que as águas da dor e do ressentimento paralise as suas atitudes.
Abramos os nossos corações numa atitude autêntica de obediência ao nosso bom pastor e sejamos hoje, nesse tempo, o instrumento necessário para que o irmão encontre o Cristo!
A você meu irmão, nessa quaresma, desejo que o Espírito Santo lhe ajude e cumule o seu coração de criatividade e bênçãos para que não fiquemos parados em nós mesmos, mas que sejamos pontes de encontro com o Cristo ressuscitado!
E então, qual será a sua atitude?

Pilares da Quaresma (1/4)Pilares da Quaresma (1/4)

Pilares da Quaresma: Oração, jejum e Caridade

(Texto e locução por Érika Teles)

“Agora, diz o Senhor, voltai para mim com todo o vosso coração, com jejuns, lágrimas e gemidos; rasgai o coração e não as vestes; e voltai para o Senhor, vosso Deus; ele é benigno e compassivo, paciente e cheio de misericórdia, inclinado a perdoar o castigo” (Joel 12, 12-13).

No tempo da quaresma, período de 40 dias em que nós, católicos nos preparamos para bem vivenciarmos a festa litúrgica mais importante do calendário cristão, a Páscoa do Senhor, a Celebração de sua Ressureição. Tendo início na quarta-feira de cinzas e seu termino na quarta-feira santa, a quaresma é tempo de conversão. Somos convidados a rever nossas práticas cristãs, nosso modo de vida e a voltar o nosso olhar para o Cristo, sentido de nossas vidas. Quaresma é tempo de voltarmos para o Senhor, silenciar e viver com Ele. Para nos ajudar na vivência desse tempo tão rico e fecundo a santa mãe Igreja nos propõe os seguintes pilares: a oração, o jejum e a caridade.

Quarta-feira de Cinzas: o que é?Quarta-feira de Cinzas: o que é?

Damos início hoje ao tempo quaresmal, período de quarenta dias que precede à Semana Santa. A Quarta-feira de Cinzas, assim como, a Sexta-feira Santa é um dia dedicado à penitência, contrição, jejum e abstinência de carne.

Neste dia abramo-nos ao Espírito Santo, para que Ele venha auxiliar-nos na escolha das nossas penitências pessoais, e também a fazer um bom exame de consciência. De modo que, revendo como está sendo a nossa vivência cristã, sejamos impelidos a voltar ao Senhor com maior dedicação, através, da oração, do jejum e da esmola e adentrar no convite que o Bom Deus faz a nós: “Convertei-vos e acreditai no evangelho”.

Ao recebermos as cinzas bentas sobre nossa fronte, aceitemos o convite de olhar para nós e lembrarmos que somos pó e para ele retornaremos (Gn 3,19), ou seja, refletir a nossa origem e o nosso fim, a fragilidade e brevidade de nossas vidas.

Que este dia traga esperança aos nossos corações, porque, como nos recorda o Papa Francisco, “Somos o pó amado por Deus, amorosamente, o Senhor recolheu em suas mãos nosso pó,  e nele, insuflou o seu sopro de vida”.

(Texto por Letícia Fagundes | Locução por Érika Teles)

XXIX Dia Mundial dos EnfermosXXIX Dia Mundial dos Enfermos

11 de fevereiro, memória de Nossa Senhora de Lourdes, é o Dia Mundial dos Enfermos. Neste ano, celebramos o XXIX Dia Mundial dos Enfermos. Neste ano com o tema: «Um só é o vosso Mestre e vós sois todos irmãos» (Mt 23, 8). A relação de confiança, na base do cuidado dos doentes.

Em sua mensagem por ocasião deste dia, o Papa Francisco afirma que “é momento propício para prestar uma atenção especial às pessoas doentes e a quantos as assistem quer nos centros sanitários quer no seio das famílias e comunidades. Penso de modo particular nas pessoas que sofrem em todo o mundo os efeitos da pandemia do coronavírus. A todos, especialmente aos mais pobres e marginalizados, expresso a minha proximidade espiritual, assegurando a solicitude e o afeto da Igreja.”

Nos explica que “O tema deste Dia inspira-se no trecho evangélico em que Jesus critica a hipocrisia de quantos dizem mas não fazem (cf. Mt 23, 1-12). Quando a fé fica reduzida a exercícios verbais estéreis, sem se envolver na história e nas necessidades do outro, então falha a coerência entre o credo professado e a vida real. O risco é grave; Jesus, para acautelar do perigo de derrapagem na idolatria de si mesmo, usa expressões fortes e afirma: «Um só é o vosso Mestre e vós sois todos irmãos»(23, 8).”

Continua o pontífice nos lembrando que “o mandamento do amor, que Jesus deixou aos seus discípulos, encontra uma realização concreta também no relacionamento com os doentes. Uma sociedade é tanto mais humana quanto melhor souber cuidar dos seus membros frágeis e atribulados e o fizer com uma eficiência animada por amor fraterno. Tendamos para esta meta, procurando que ninguém fique sozinho, nem se sinta excluído e abandonado.”

Finaliza ele: ‘Todas as pessoas doentes, os agentes da saúde e quantos se prodigalizam junto dos que sofrem, confio-os a Maria, Mãe de Misericórdia e Saúde dos Enfermos. Que Ela, da Gruta de Lurdes e dos seus inumeráveis santuários espalhados por todo o mundo, sustente a nossa fé e a nossa esperança e nos ajude a cuidar uns dos outros com amor fraterno. A todos e cada um concedo, de coração, a minha bênção.”

Confira o texto na íntegra aqui.

PRESIDÊNCIA DA CNBB DIVULGA NOTA SOBRE A CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA 2021PRESIDÊNCIA DA CNBB DIVULGA NOTA SOBRE A CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA 2021

A presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou na terça-feira, 9 de fevereiro, uma nota na qual esclarece pontos referentes à realização da Campanha da Fraternidade Ecumênica deste ano, cujo tema é: “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor” e o lema: “Cristo é a nossa paz. Do que era dividido fez uma unidade”,  (Ef 2,14a).

O documento reafirma a Campanha da Fraternidade como uma marca e, ao mesmo tempo, uma riqueza da Igreja no Brasil que deve ser cuidada e melhorada sempre mais por meio do diálogo. Iluminado pela Encíclica Ut Unum Sint, de 1999, do Papa São João Paulo II, o texto aponta também ser necessário cuidar da causa ecumênica. 

Sobre o texto-base da CFE deste ano, os bispos afirmam que a publicação seguiu a estrutura de pensamento e trabalho do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC), conselho responsável pela preparação e coordenação da campanha da fraternidade em seu formato ecumênico. “Não se trata, portanto, de um texto ao estilo do que ocorreria caso fosse preparado apenas pela comissão da CNBB”, aponta a Nota. (…)

A nota informa que os recursos do Fundo Nacional de Solidariedade (FNS) seguem rigorosa orientação, obedecendo não apenas a legislação civil vigente para o assunto, mas também a preocupação quanto à identidade dos projetos atendidos. “Os recursos só serão aplicados em situações que não agridam os princípios defendidos pela Igreja Católica”, reforça a nota.

A presidência da CNBB afirma, no parágrafo final, que apesar de nem sempre ser fácil cuidar das dificuldades levantadas pela realização de uma Campanha da Fraternidade e da caminhada ecumênica e de muitos outros aspectos da ação evangelizadora da Igreja, nem por isso se deve desanimar e romper a comunhão, o que segundo os bispos é uma das maiores marcas dos cristãos. “Não desanimemos. Não desistamos. Unamo-nos”, exorta a presidência da CNBB.

Confira o texto na íntegra em PDF: Aqui.

Fonte: https://campanhas.cnbb.org.br/presidencia-da-cnbb-divulga-nota-sobre-a-campanha-da-fraternidade-ecumenica-2021.html