Comunidade Filhos de Maria Formação Pilares da Quaresma (4/4)

Pilares da Quaresma (4/4)


Pilares da Quaresma: A CARIDADE
(Texto e locução por Érika Teles)


Segundo o padre Duffé, secretário do Dicastério no Vaticano: “A caridade– ágape – é o amor que vem de Deus, nos chama e nos leva a aprender de novo a amar os outros, com respeito e humildade.” A caridade também conhecida e traduzida como amor é o ato de ofertamos ao outro muito mais do que algo material, ofertamos a nós mesmos.

Um dos vícios que mais assolam o ser humano é a ganancia, o desejo pelo ter sempre mais, com a prática da caridade, vamos moldando o nosso ser na virtude da humildade, da solidariedade, da partilha. Oferecemos ao outro, ao nosso irmão aquilo que queríamos e estimávamos tanto, vamos aos poucos nos desapegando das coisas matérias, das pessoas e vamos buscando aquilo que é essencial, a intimidade com Deus, a vida com Ele e Nele.


A caridade é um ato concreto, é a prática do amor, é o acolher a realidade de que não somos os senhores de tudo, que o que dá realmente sentido à vida é o amor testemunhado na partilha de bens, de vida. A partilha do dom do amor. Isso é caridade.


E aí, você topa doar de si nessa quaresma?

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Post

Pilares da Quaresma (1/4)Pilares da Quaresma (1/4)

Pilares da Quaresma: Oração, jejum e Caridade

(Texto e locução por Érika Teles)

“Agora, diz o Senhor, voltai para mim com todo o vosso coração, com jejuns, lágrimas e gemidos; rasgai o coração e não as vestes; e voltai para o Senhor, vosso Deus; ele é benigno e compassivo, paciente e cheio de misericórdia, inclinado a perdoar o castigo” (Joel 12, 12-13).

No tempo da quaresma, período de 40 dias em que nós, católicos nos preparamos para bem vivenciarmos a festa litúrgica mais importante do calendário cristão, a Páscoa do Senhor, a Celebração de sua Ressureição. Tendo início na quarta-feira de cinzas e seu termino na quarta-feira santa, a quaresma é tempo de conversão. Somos convidados a rever nossas práticas cristãs, nosso modo de vida e a voltar o nosso olhar para o Cristo, sentido de nossas vidas. Quaresma é tempo de voltarmos para o Senhor, silenciar e viver com Ele. Para nos ajudar na vivência desse tempo tão rico e fecundo a santa mãe Igreja nos propõe os seguintes pilares: a oração, o jejum e a caridade.

Gotas de perseverança na sua quaresmaGotas de perseverança na sua quaresma

(Texto por Emerson Goveia e locução por Júnior Vieira)

Gotas de Perseverança na sua quaresma
(Texto: @emersoncfm / Locução: @juniorvieira193)

Eu sou aquele tipo de pessoa metódica, que pra iniciar uma dieta eu preciso de uma segunda-feira.

E se na terça eu comer um doce, só na outra segunda pra recomeçar.

Calma, eu não tô fazendo dieta, eu posso explicar…

Percebi que eu estava perdendo tempo e era preciso economizar.
A nossa vida é só um instante e logo vai passar.

O Papa Francisco vai nos dizer na sua carta “Patris Corde” que na perspectiva da economia da salvação é de ternura na acolhida das fraquezas que eu vou precisar…

Logo, sim, eu preciso economizar…

Um pouco mais de ternura aprender e exercitar…
Essa pode ser a minha última quaresma e eu não posso desperdiçar.

Como pode alguém que tem medo de altura e o céu querer alcançar?

É preciso lançar fora todo medo e em altos vôos se lançar…
Se você mal começou e já se perdeu nos seus propósitos de quaresma, um caminho eu vou lhe dar…

É só pra quem tem medo de altura que a minha escada vou emprestar.

Mas como se eu tenho medo?
Vai com medo mesmo!

Sobre o ser metódico, tudo bem, mas no excesso se quebrantar…

Olhe pra sua quaresma e com ternura derrame umas gotinhas de perseverança…

Ainda dá tempo…

Se for preciso olhar os dias da semana com outros olhos, compre óculos, desembaça a lente e volte a enxergar…

Perceba na beleza de uma quarta-feira o seu verdadeiro e melhor lugar.

Por que não?

Faça dela o seu ponto de partida, o seu recomeçar…

O importante é o novo propósito, o tirar o pé do lugar.

Economize dias…

Suba sem medo…

É hora de se lançar…

Haa… Emerson, hoje não deu certo!
Calma, amanhã vai dar…

Vem comigo?

O que aprendemos no desertoO que aprendemos no deserto

(Texto e locução por Érika Teles)

Quando se fala em deserto logo pensamos: é um lugar quente, árido, de difícil acesso, com pouca agua, pouca comida, um lugar com muitas dificuldades. A sobrevivência no deserto é um tanto desafiadora.

Na vida espiritual, nós, cristãos, também passamos por períodos de deserto, onde Deus parece estar distante, longe, onde as dificuldades e desafios parecem cada vez maiores. Nos sentimos desanimados, tentados a todo tempo, na maioria das vezes, pensamos estar sozinhos. Porém, apesar de toda essa turbulência, se bem vivido o tempo de deserto pode ser bem fecundo. Deus nos coloca no deserto para aprendermos que não vivemos só de pão, que não somos capazes de viver sozinhos, mas que dependemos Dele. No deserto aprendemos a ser pobres e a depender Dele.

É no deserto que aparecem os demônios e é necessário combater os demônios para se assemelhar a Cristo, é Ele o nosso modelo de homem novo e de mulher nova. Tudo aquilo que me coloca em crise é deserto, mas esse deserto nos leva a um autoconhecimento e ao conhecimento de Deus. É um momento doloroso mas necessário. Sem a tentação só conhecemos a ilusão.

Portanto, no deserto aprendemos a ser mais de Deus, a confiar a Ele toda a nossa vida, aprendemos a viver o abandono e a confiança.

Érika Vilela, nossa fundadora, nos ensina que “Em grandes momentos de dor surgem grandes obras de amor, obras de paz.” Aprendemos que todo momento, por mais difícil e doloroso que seja, vivido diante de Deus é bonito. Se você vive um tempo de deserto aproveite para fazer desse tempo um tempo fecundo e para fortalecer a sua fé, confiando que apesar do sentimento de ausência, Ele, sempre está presente.