Comunidade Filhos de Maria Notícias PRESIDÊNCIA DA CNBB DIVULGA NOTA SOBRE A CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA 2021

PRESIDÊNCIA DA CNBB DIVULGA NOTA SOBRE A CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA 2021


A presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou na terça-feira, 9 de fevereiro, uma nota na qual esclarece pontos referentes à realização da Campanha da Fraternidade Ecumênica deste ano, cujo tema é: “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor” e o lema: “Cristo é a nossa paz. Do que era dividido fez uma unidade”,  (Ef 2,14a).

O documento reafirma a Campanha da Fraternidade como uma marca e, ao mesmo tempo, uma riqueza da Igreja no Brasil que deve ser cuidada e melhorada sempre mais por meio do diálogo. Iluminado pela Encíclica Ut Unum Sint, de 1999, do Papa São João Paulo II, o texto aponta também ser necessário cuidar da causa ecumênica. 

Sobre o texto-base da CFE deste ano, os bispos afirmam que a publicação seguiu a estrutura de pensamento e trabalho do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC), conselho responsável pela preparação e coordenação da campanha da fraternidade em seu formato ecumênico. “Não se trata, portanto, de um texto ao estilo do que ocorreria caso fosse preparado apenas pela comissão da CNBB”, aponta a Nota. (…)

A nota informa que os recursos do Fundo Nacional de Solidariedade (FNS) seguem rigorosa orientação, obedecendo não apenas a legislação civil vigente para o assunto, mas também a preocupação quanto à identidade dos projetos atendidos. “Os recursos só serão aplicados em situações que não agridam os princípios defendidos pela Igreja Católica”, reforça a nota.

A presidência da CNBB afirma, no parágrafo final, que apesar de nem sempre ser fácil cuidar das dificuldades levantadas pela realização de uma Campanha da Fraternidade e da caminhada ecumênica e de muitos outros aspectos da ação evangelizadora da Igreja, nem por isso se deve desanimar e romper a comunhão, o que segundo os bispos é uma das maiores marcas dos cristãos. “Não desanimemos. Não desistamos. Unamo-nos”, exorta a presidência da CNBB.

Confira o texto na íntegra em PDF: Aqui.

Fonte: https://campanhas.cnbb.org.br/presidencia-da-cnbb-divulga-nota-sobre-a-campanha-da-fraternidade-ecumenica-2021.html

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Post

Um abandono total ao AmorUm abandono total ao Amor

No dia 15 de maio de 2022, o Papa Francisco canonizou 10 novos santos para a Igreja Católica. Durante a homilia, o Papa nos lembra que a santidade “não é feita de alguns atos heróicos, mas de muito amor diário.”

Entre estes novos santos, temos Charles de Foucauld, um sacerdote francês cuja história tocou muito nossa comunidade. Confira a seguir no texto de Maria Clara Novaes.

– – – – –

Como comunidade, conhecemos São Charles de Foucauld, quando ainda era Beato e tornou-se uma devoção pessoal de nossa fundadora Érika Vilela. Este santo viveu uma vida escondida e silenciosa, sendo também um grande fracasso aos olhos humanos, pois passou a maior parte do tempo sozinho e sem frutos. Sua obra só ficou conhecida depois de seu martírio. A história dele foi uma manifestação viva das palavras do Papa Francisco, na missa de sua canonização: “Enquanto o mundo quer muitas vezes convencer-nos de que só temos valor se produzirmos resultados, o Evangelho nos lembra a verdade da vida: somos amados.”.

São Charles de Foucauld nos faz um convite, próprio de quem vive essa pobreza, principalmente de si mesmo: “Alegrai-vos! Alegrai-vos por sua felicidade. Que nosso coração lute na alegria e na paz, porque esse que nós amamos mais que a nós mesmos, está numa felicidade e numa paz infinitas, perfeitas, imutáveis. O amor consiste não em sentir que amamos, mas em querer amar”. Ele era um homem apaixonado por Jesus Cristo e nos inspira em suas loucuras de amor!

“Meu Pai, a vós me abandono. Fazei de mim o que quiserdes. O que de mim fizerdes, eu vos agradeço. Estou pronto para tudo, aceito tudo. Contanto que vossa vontade se faça em mim e em todas as vossas criaturas.

Não desejo outra coisa, meu Deus.

Entrego minha vida, em vossas mãos, eu vo-la dou meu Deus, com todo amor do meu coração, porque eu vos amo e porque é para mim uma necessidade de amor dar-me, entregar-me a vós sem medidas, com infinita confiança, porque sois vós meu Pai”

(São Charles de Foucald)

A atitude de abandono é própria de nossa vocação que se inspira na infância espiritual, na entrega confiante de nosso ser a Deus e a sua Vontade, pois ama e confia no Amado e sabe que esse só pode querer o bem. Assim como a benevolência é própria do amor e também a confiança. Essa atitude de abandono e de confiança traz a nós a paz divina, só encontrada por quem esquece de si mesmo e confia que as chamas do amor queimam toda e qualquer lembrança das faltas do passado. O abandono total consiste em dar-se todo a Deus, porque Deus se dá todo a nós!

São Charles de Foucauld nos impele em nosso caminho de santidade, na certeza de que cada um de nós tem um chamado único e irrepetível, devendo realizá-lo com alegria.

Por Maria Clara Novaes

Missionária Consagrada na Comunidade Filhos de Maria

– – – – 

Quer conhecer um pouco mais sobre a vida destes santos? Confira o perfil de nossa missionária Samara Flôres.

Quaresma e sínodo: qual a relação?Quaresma e sínodo: qual a relação?

Toda a Igreja está convocada pelo Papa Francisco a percorrer o caminho rumo ao Sínodo (outubro 2023): “Para uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão”. Assim, ele “convida a Igreja inteira a se interrogar sobre um tema decisivo para a sua vida e a sua missão: “O caminho da sinodalidade é precisamente o caminho que Deus espera da Igreja do terceiro milênio”

A Igreja de Jesus Cristo, ao longo de sua história, concretizou muitos passos e aprendizados. Foi notadamente, no Concílio Vaticano II (1962-1965), que ela percebeu com clareza que o melhor jeito de ser e de caminhar, para bem cumprir a sua missão, é o “jeito sinodal”. Não se trata de tarefa fácil, exige muita preparação e profunda conversão de todos ao projeto de Deus.

O objetivo principal deste Sínodo é refletir sobre a missionariedade da Igreja. O que o Papa Francisco deseja é uma Igreja sinodal, ou seja, uma Igreja de comunhão e missionária que deve ser construída em unidade. Uma Igreja sinodal é uma Igreja missionária.

Todos os batizados são chamados a dar a sua contribuição a esta reflexão.

Sinodalidade é o esforço coletivo e a busca contínua de aprendermos a “caminhar juntos” como irmãos e irmãs que somos. A Quaresma é um tempo propício para se colocar a escuta de Deus e retomar um caminho de intimidade com Ele.

E se nós aproveitássemos da Quaresma para viver essa escuta em comunhão com todo o povo de Deus?

Foi pensando nisso que a rede social de oração Hozana criou um itinerário de Quaresma para aprender a se escutar.

Durante este retiro nós iremos entender, junto com participantes do mundo inteiro (entre eles a Comunidade Aliança de Misericórdia, a Comunidade Recado e a Comunidade Filhos de Maria), o que significa este caminho sinodal e como nós podemos vivenciar, na prática, a comunhão, participação e missão sugeridas pelo Papa Francisco.

Clique aqui para se inscrever e venha viver esse momento de comunhão, participação e missão conosco!

XXIX Dia Mundial dos EnfermosXXIX Dia Mundial dos Enfermos

11 de fevereiro, memória de Nossa Senhora de Lourdes, é o Dia Mundial dos Enfermos. Neste ano, celebramos o XXIX Dia Mundial dos Enfermos. Neste ano com o tema: «Um só é o vosso Mestre e vós sois todos irmãos» (Mt 23, 8). A relação de confiança, na base do cuidado dos doentes.

Em sua mensagem por ocasião deste dia, o Papa Francisco afirma que “é momento propício para prestar uma atenção especial às pessoas doentes e a quantos as assistem quer nos centros sanitários quer no seio das famílias e comunidades. Penso de modo particular nas pessoas que sofrem em todo o mundo os efeitos da pandemia do coronavírus. A todos, especialmente aos mais pobres e marginalizados, expresso a minha proximidade espiritual, assegurando a solicitude e o afeto da Igreja.”

Nos explica que “O tema deste Dia inspira-se no trecho evangélico em que Jesus critica a hipocrisia de quantos dizem mas não fazem (cf. Mt 23, 1-12). Quando a fé fica reduzida a exercícios verbais estéreis, sem se envolver na história e nas necessidades do outro, então falha a coerência entre o credo professado e a vida real. O risco é grave; Jesus, para acautelar do perigo de derrapagem na idolatria de si mesmo, usa expressões fortes e afirma: «Um só é o vosso Mestre e vós sois todos irmãos»(23, 8).”

Continua o pontífice nos lembrando que “o mandamento do amor, que Jesus deixou aos seus discípulos, encontra uma realização concreta também no relacionamento com os doentes. Uma sociedade é tanto mais humana quanto melhor souber cuidar dos seus membros frágeis e atribulados e o fizer com uma eficiência animada por amor fraterno. Tendamos para esta meta, procurando que ninguém fique sozinho, nem se sinta excluído e abandonado.”

Finaliza ele: ‘Todas as pessoas doentes, os agentes da saúde e quantos se prodigalizam junto dos que sofrem, confio-os a Maria, Mãe de Misericórdia e Saúde dos Enfermos. Que Ela, da Gruta de Lurdes e dos seus inumeráveis santuários espalhados por todo o mundo, sustente a nossa fé e a nossa esperança e nos ajude a cuidar uns dos outros com amor fraterno. A todos e cada um concedo, de coração, a minha bênção.”

Confira o texto na íntegra aqui.