O Tempo Quaresmal


O tempo da Quaresma é um convite a fazer com Cristo, um novo caminho. É preciso se decidir por adentrar neste projeto de vida nova encontrada no Senhor. Sendo assim, podemos pensar neste tempo como um grande encontro, uma via de ascese, isto é, um subir com Ele a fim de viver em perfeita alegria.

Como Jesus, devemos nos deixar ser conduzidos pelo Espírito (Mt 4 1-11), abandonarmo-nos nas mãos daquele que nos conhece e quer que sejamos santos. Essa santidade é entendida como um coração grato que se deixa modelar, que vai se assemelhando ao Senhor em uma total disponibilidade à sua ação.

Sendo assim, a oração se torna o melhor caminho para viver esse encontro. Por ela, podemos ouvi-Lo, abrir-Lhe o coração e, dessa forma, permitir que Ele nos dê um novo coração de carne (Ez 36,26-27). Um coração que se importe com o outro, que queira amar sem limites servindo sem fronteiras.

Conhecemos nossos limites, por isso, aprendemos que o jejum, a mortificação são os instrumentos que nos permitem sair de nós mesmos. Com este desejo de amar, meditamos, em cada sexta-feira, o mistério da Via Sacra, refazendo com o Cristo o caminho da Paixão, meditando com a Igreja os temas da Campanha da fraternidade. 
Pe. Arley Humberto, sacerdote, missionário consagrado da Com. Filhos de Maria e psicólogo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Post

Pilares da Quaresma (3/4)Pilares da Quaresma (3/4)

(Texto e locução por Érika Teles)

O jejum é uma prática espiritual que tem por objetivo mortificar a carne, os desejos e as emoções de forma que não sejamos guiados por elas, mas sim, conduzidos pelo Espirito e assim nos aproximemos de Deus, O amemos mais e permitamos que a graça Dele aja em nós, que nos convertamos.
A quaresma é o tempo propício para vivenciarmos essa prática. Na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo, devem ser observados o jejum e a abstinência. (Código de Direito Canônico, cânon 1250).


O jejum mais comum é a abstinência alimentar, de carnes vermelhas e outros. Porém, existem outras formas de se exercitar essa prática, como o jejum de redes sociais, de filmes, de palavras negativas, dentre outras. O mais importante é buscar vencer os desejos carnais desordenados e uma maior proximidade com Deus, uma verdadeira mudança de vida.
E aí, como andam as suas práticas, você está preparado para viver essa experiência nessa quaresma?


Que tal tentar vivenciar essa prática espiritual esse ano? Vamos lá?!

Cristo Rei! Vem Senhor JesusCristo Rei! Vem Senhor Jesus

No último domingo do ano litúrgico, a Igreja celebra a solenidade de Cristo Rei. Nela, somos convidados, não somente a reconhecer a realeza e senhorio de Cristo, mas a desejarmos com sinceridade de coração a participação plena em seu Reino. 

Em 2007, por ocasião dessa solenidade, escreveu Dom Odílio Sherer: “Os primeiros cristãos dirigiam a Cristo glorificado uma belíssima invocação: ‘Maranathá!’ (vem, Senhor)! Na celebração de cada Missa, após a consagração, também nós fazemos a mesma invocação, na ansiosa e alegre esperança da participação plena no reino de Deus”. 

A comunidade Filhos de Maria, desde suas origens, teve a graça de experimentar deste mistério tão bem tocado pelas palavras deste querido cardeal da Igreja. 

Em 1998, a nossa fundadora Érika Vilela e o grupo dos primeiros membros do Grupo de Oração Filhos de Maria realizaram um encontro que mudaria para sempre o rumo de suas vidas. Mais tarde, fruto daquela experiência, nasceria a nossa Comunidade.

Com o doce lema, “Escuto seus passos de ouro no caminho. Ele vem. Ele vem, Ele vem com certeza”, realizava-se em Montes Claros o I Maranathá, nas acomodações do colégio Marista São José. 

A partir dali, todos os anos, muitos homens e mulheres, especialmente os jovens, experimentariam o “Vem, Senhor Jesus”, a cada versão do Maranathá, promovido pela Comunidade Filhos de Maria.

Como os primeiros cristãos, repetimos incansavelmente essa invocação, na certeza de que, desde aqui, ansiamos, com amor apaixonado, a vinda de Jesus e o seu Reino, que não terá fim. 

Alysson Figueiredo, co-fundador da Com. Filhos de Maria

Pilares da Quaresma (2/4)Pilares da Quaresma (2/4)

Pilares da Quaresma: A ORAÇÃO
(Texto e locução por Érika Teles)


Segundo o Papa Francisco: “A oração é o respiro da fé, é a sua expressão mais adequada. Como um grito que sai do coração de quem crê e se confia a Deus.” A oração é o momento de intimidade, de encontro com Deus é o grito da alma que encontra abrigo na consolação do Senhor. Érika Vilela nos ensina que “É no espírito dessa intimidade com Deus que a Igreja nos convida a viver o Tempo Quaresmal como tempo de oração, de falar de coração a coração com o Deus vivo.”


A oração nos ajuda a vencermos a concupiscência do poder, do orgulho e da vaidade que tanto nos assola.


Quando nos abandonamos na oração reconhecemos que somos dependentes de Deus, que por nós próprios nada podemos fazer. A oração sustenta a vida do cristão, nos eleva a Deus. É na oração que nos encontramos com o nosso amigo, com o Esposo de nossas almas e ali nesse momento que podemos derramar nosso coração na certeza de que Ele nos ouve e nos acolhe. Por meio da oração somos fortalecidos e ajudados a bem viver a vida e a carregar a nossa Cruz.
Abandone-se na oração e permita o toque do A migo que te espera sempre para ouvir o clamor da sua oração. Santa quaresma!