Comunidade Filhos de Maria Formação,Novidades O que aprendemos no deserto

O que aprendemos no deserto


(Texto e locução por Érika Teles)

Quando se fala em deserto logo pensamos: é um lugar quente, árido, de difícil acesso, com pouca agua, pouca comida, um lugar com muitas dificuldades. A sobrevivência no deserto é um tanto desafiadora.

Na vida espiritual, nós, cristãos, também passamos por períodos de deserto, onde Deus parece estar distante, longe, onde as dificuldades e desafios parecem cada vez maiores. Nos sentimos desanimados, tentados a todo tempo, na maioria das vezes, pensamos estar sozinhos. Porém, apesar de toda essa turbulência, se bem vivido o tempo de deserto pode ser bem fecundo. Deus nos coloca no deserto para aprendermos que não vivemos só de pão, que não somos capazes de viver sozinhos, mas que dependemos Dele. No deserto aprendemos a ser pobres e a depender Dele.

É no deserto que aparecem os demônios e é necessário combater os demônios para se assemelhar a Cristo, é Ele o nosso modelo de homem novo e de mulher nova. Tudo aquilo que me coloca em crise é deserto, mas esse deserto nos leva a um autoconhecimento e ao conhecimento de Deus. É um momento doloroso mas necessário. Sem a tentação só conhecemos a ilusão.

Portanto, no deserto aprendemos a ser mais de Deus, a confiar a Ele toda a nossa vida, aprendemos a viver o abandono e a confiança.

Érika Vilela, nossa fundadora, nos ensina que “Em grandes momentos de dor surgem grandes obras de amor, obras de paz.” Aprendemos que todo momento, por mais difícil e doloroso que seja, vivido diante de Deus é bonito. Se você vive um tempo de deserto aproveite para fazer desse tempo um tempo fecundo e para fortalecer a sua fé, confiando que apesar do sentimento de ausência, Ele, sempre está presente.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Post

Pilares da Quaresma (3/4)Pilares da Quaresma (3/4)

(Texto e locução por Érika Teles)

O jejum é uma prática espiritual que tem por objetivo mortificar a carne, os desejos e as emoções de forma que não sejamos guiados por elas, mas sim, conduzidos pelo Espirito e assim nos aproximemos de Deus, O amemos mais e permitamos que a graça Dele aja em nós, que nos convertamos.
A quaresma é o tempo propício para vivenciarmos essa prática. Na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo, devem ser observados o jejum e a abstinência. (Código de Direito Canônico, cânon 1250).


O jejum mais comum é a abstinência alimentar, de carnes vermelhas e outros. Porém, existem outras formas de se exercitar essa prática, como o jejum de redes sociais, de filmes, de palavras negativas, dentre outras. O mais importante é buscar vencer os desejos carnais desordenados e uma maior proximidade com Deus, uma verdadeira mudança de vida.
E aí, como andam as suas práticas, você está preparado para viver essa experiência nessa quaresma?


Que tal tentar vivenciar essa prática espiritual esse ano? Vamos lá?!

NatalNatal

E o Verbo se fez carne! O verbo amar se encarnou se fez homem, revelou que é pão, verdade, caminho , vida! 

Revelou que é Luz! Há 25 anos nossa família  Filhos de Maria,junto com você também abraça a missão de Jesus: alimentar de esperança,  formar para a Verdade, aliviar os que sofrem nas periferias da existência iluminando-os com Amor! 

Sim, pois o verbo amar de modo divino se fez carne! 

Foi acolhido  e gerado primeiro na fé na Vontade de Deus por seus pais! Quanto o presépio nos ensina! Onde o amor está, não importando a dureza das circunstâncias a paz habita! Obrigada irmãos e irmãs que juntos conosco tem levado a esperança, a fé e a alegria de um novo tempo, em todos esses  anos! 

O Natal é a festa do Amor que se encarna , celebremos juntos em comunhão! Feliz Natal!

 

Érika Vilela, fundadora da Com. Filhos de Maria e psiquiatra.

BelezaBeleza

De forma suave o sol ponteia em minha janela. Ele não entra ainda, não fora convidado. Ele espera até que eu abra a cortina e delicadamente desliza quarto a dentro. As cores mudam e um amarelo pálido toma conta do cômodo.  Ainda é cedo e meu pensamento já corre de forma rápida para Deus. A criação transportou-me para Ele. O silêncio noturno se foi e deu lugar aos barulhos do dia, pássaros, buzinas e vozes tomam conta de mim. Tudo está em sintonia, mesmo os gritos prenunciam que Deus tem planos para o dia de hoje, só caberá a nós descobri-los. Observando ao redor vejo esperança em olhares, alegrias ocultas que só serão reveladas a noite, no aconchego dos lares. Vejo passos apressados correndo para garantir o pão da casa. Não há nada mais belo do que Deus presente em tudo. As cores da primavera estão estranhamente presentes. O céu azul de um lado anuncia a chuva do outro. O verde ainda não tão verde entrega que o inverno foi embora a pouco e que as coisas ainda ficarão mais coloridas com o passar do tempo. Assim como na vida, ainda não chegou a hora da plenitude, vivemos por hora o tempo da espera. E quão belo é esperar no Senhor.

Corre as horas, os dias, os anos, e a doce mão de Deus nos coloca sempre em sua vontade. Há de se fazer um grande esforço pra fugir de sua mão suave. A natureza fala Dele, o tempo fala Dele e até a ausência o anuncia. Se observarmos com carinho seremos sempre levados ao seu caminho. Seu rosto será visto em outros rostos, sua mão será sentida em outras mãos, e até mesmo seu abraço será sentido se abrirmos os olhos ao sublime cuidado de Deus.

Ele está presente em tudo e como que preenchendo o mundo vai nos fazendo  viver de ” Páscoa em Páscoa”. Nascemos e ressuscitamos Nele sempre que permitimos que sua graça aconteça em nós. Acordamos e com Ele dormimos, sempre que deixamos o nosso pensamento vagar para Ele. Mesmo que de forma simples, mesmo que de forma rápida o Senhor sempre se faz em nós quando nós o buscamos ver. 

Por Júnior Vieira, missionário consagrado e ministro de artes da Comunidade Filhos de Maria

 

Saiba mais sobre as Artes no carisma Filhos de Maria clicando aqui!