Comunidade Filhos de Maria Formação Pilares da Quaresma (1/4)

Pilares da Quaresma (1/4)


Pilares da Quaresma: Oração, jejum e Caridade

(Texto e locução por Érika Teles)

“Agora, diz o Senhor, voltai para mim com todo o vosso coração, com jejuns, lágrimas e gemidos; rasgai o coração e não as vestes; e voltai para o Senhor, vosso Deus; ele é benigno e compassivo, paciente e cheio de misericórdia, inclinado a perdoar o castigo” (Joel 12, 12-13).

No tempo da quaresma, período de 40 dias em que nós, católicos nos preparamos para bem vivenciarmos a festa litúrgica mais importante do calendário cristão, a Páscoa do Senhor, a Celebração de sua Ressureição. Tendo início na quarta-feira de cinzas e seu termino na quarta-feira santa, a quaresma é tempo de conversão. Somos convidados a rever nossas práticas cristãs, nosso modo de vida e a voltar o nosso olhar para o Cristo, sentido de nossas vidas. Quaresma é tempo de voltarmos para o Senhor, silenciar e viver com Ele. Para nos ajudar na vivência desse tempo tão rico e fecundo a santa mãe Igreja nos propõe os seguintes pilares: a oração, o jejum e a caridade.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Post

Pilares da Quaresma (2/4)Pilares da Quaresma (2/4)

Pilares da Quaresma: A ORAÇÃO
(Texto e locução por Érika Teles)


Segundo o Papa Francisco: “A oração é o respiro da fé, é a sua expressão mais adequada. Como um grito que sai do coração de quem crê e se confia a Deus.” A oração é o momento de intimidade, de encontro com Deus é o grito da alma que encontra abrigo na consolação do Senhor. Érika Vilela nos ensina que “É no espírito dessa intimidade com Deus que a Igreja nos convida a viver o Tempo Quaresmal como tempo de oração, de falar de coração a coração com o Deus vivo.”


A oração nos ajuda a vencermos a concupiscência do poder, do orgulho e da vaidade que tanto nos assola.


Quando nos abandonamos na oração reconhecemos que somos dependentes de Deus, que por nós próprios nada podemos fazer. A oração sustenta a vida do cristão, nos eleva a Deus. É na oração que nos encontramos com o nosso amigo, com o Esposo de nossas almas e ali nesse momento que podemos derramar nosso coração na certeza de que Ele nos ouve e nos acolhe. Por meio da oração somos fortalecidos e ajudados a bem viver a vida e a carregar a nossa Cruz.
Abandone-se na oração e permita o toque do A migo que te espera sempre para ouvir o clamor da sua oração. Santa quaresma!

Pilares da Quaresma (3/4)Pilares da Quaresma (3/4)

(Texto e locução por Érika Teles)

O jejum é uma prática espiritual que tem por objetivo mortificar a carne, os desejos e as emoções de forma que não sejamos guiados por elas, mas sim, conduzidos pelo Espirito e assim nos aproximemos de Deus, O amemos mais e permitamos que a graça Dele aja em nós, que nos convertamos.
A quaresma é o tempo propício para vivenciarmos essa prática. Na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo, devem ser observados o jejum e a abstinência. (Código de Direito Canônico, cânon 1250).


O jejum mais comum é a abstinência alimentar, de carnes vermelhas e outros. Porém, existem outras formas de se exercitar essa prática, como o jejum de redes sociais, de filmes, de palavras negativas, dentre outras. O mais importante é buscar vencer os desejos carnais desordenados e uma maior proximidade com Deus, uma verdadeira mudança de vida.
E aí, como andam as suas práticas, você está preparado para viver essa experiência nessa quaresma?


Que tal tentar vivenciar essa prática espiritual esse ano? Vamos lá?!

O que aprendemos no desertoO que aprendemos no deserto

(Texto e locução por Érika Teles)

Quando se fala em deserto logo pensamos: é um lugar quente, árido, de difícil acesso, com pouca agua, pouca comida, um lugar com muitas dificuldades. A sobrevivência no deserto é um tanto desafiadora.

Na vida espiritual, nós, cristãos, também passamos por períodos de deserto, onde Deus parece estar distante, longe, onde as dificuldades e desafios parecem cada vez maiores. Nos sentimos desanimados, tentados a todo tempo, na maioria das vezes, pensamos estar sozinhos. Porém, apesar de toda essa turbulência, se bem vivido o tempo de deserto pode ser bem fecundo. Deus nos coloca no deserto para aprendermos que não vivemos só de pão, que não somos capazes de viver sozinhos, mas que dependemos Dele. No deserto aprendemos a ser pobres e a depender Dele.

É no deserto que aparecem os demônios e é necessário combater os demônios para se assemelhar a Cristo, é Ele o nosso modelo de homem novo e de mulher nova. Tudo aquilo que me coloca em crise é deserto, mas esse deserto nos leva a um autoconhecimento e ao conhecimento de Deus. É um momento doloroso mas necessário. Sem a tentação só conhecemos a ilusão.

Portanto, no deserto aprendemos a ser mais de Deus, a confiar a Ele toda a nossa vida, aprendemos a viver o abandono e a confiança.

Érika Vilela, nossa fundadora, nos ensina que “Em grandes momentos de dor surgem grandes obras de amor, obras de paz.” Aprendemos que todo momento, por mais difícil e doloroso que seja, vivido diante de Deus é bonito. Se você vive um tempo de deserto aproveite para fazer desse tempo um tempo fecundo e para fortalecer a sua fé, confiando que apesar do sentimento de ausência, Ele, sempre está presente.